5 de setembro de 2018
0
||||| 0 |||||
107

Brasileiras Lutam Pelo Reconhecimento do Pole Dance Como Atividade Esportiva

Todo mês de fevereiro é a mesma coisa: para celebrar o carnaval, Vanessa Reichert, professora de pole dance e proprietária do estúdio V, localizado na Vila Madalena, e suas alunas organizam o Carna Pole. No beco do Batman, elas instalam um palco onde realizam performances e tiram fotos. O carna pole faz parte de um extenso calendário de atividades que o estúdio V promove com objetivo de divulgar a modalidade.

O estúdio V integra um grupo com outras 200 academias de pole dance cadastradas pela Federação Brasileira de Pole Dance (FBPOLE), e que possuem a mesma missão: incentivar e alicerçar o crescimento da atividade no país. “A gente pratica em parques, em datas comemorativas e até mesmo em postes na rua. Tudo pra mostrar que o pole é um esporte que pode ser praticado por qualquer pessoa”, explica Vanessa, praticante há 8 anos.

Junto com o crescimento do número de estúdios está a segmentação do pole em diferentes categorias, como dance, fitness, esporte, sensual e acrobático. A essência principal do Pole, no entanto, sempre será a mesma: o ato de realizar acrobacias numa barra vertical. “O pole evoluiu muito, ganhando adeptos que vieram de outras modalidades como circo, ginástica rítmica e artística e danças”, acrescenta Vanessa.
O marco da história do pole no Brasil foi o nascimento, em 2009, da Federação Brasileira de Pole Dance (FBPOLE), entidade responsável por fomentar a modalidade artística e esportiva.

Uma das principais conquistas da Federação foi a criação, para os campeonatos no Brasil e no exterior, de um Código de Regras e Arbitragem. Hoje ela é a única entidade brasileira autorizada a formar árbitros de pole dance nos países sul- americanos. “O papel da federação hoje é transformar o pole dance em uma atividade física reconhecida e respeitada. Não no sentido de negar suas origens ou as suas vertentes de dança, mas mostrar que o pole pode ser uma atividade física, de alto rendimento, com queima calórica e que pode proporcionar mudanças físicas e mentais”, explica Vanessa Costa, atual presidente da FBPOLE.

A entidade é responsável pela realização do maior campeonato do mundo, a Pole World Cup que já na primeira edição, em 2011, contou com a vinda de 68 atletas oriundos de 14 países. A FBPOLE também já reuniu mais de 4 mil assinaturas pela legitimação da modalidade. “Cada vez mais vejo a mudança do olhar e de atitude das pessoas com relação à modalidade.Temos excelentes atletas no Brasil e a tendência é aumentar cada vez mais”, conclui a professora Vanessa Reichert, que já participou de dois campeonatos.

Campeonatos: fortalecimento e visibilidade

Os campeonatos ajudam no reconhcimento da modalidade como esporte. Para ser ter uma ideia, à semelhança da ginástica olímpica, as apresentações combinam uma coreografia executada e sincronizada com um acompanhamento musical, além de séries com movimentos obrigatórios e livres, que devem ser executadas sem esforço aparente, isto é, com leveza e harmonia. São disputados de modo individual (masculino e feminino) ou por duplas.

Vanessa Reichert participou de compeonatos na vertente fitness e sensual. “Meu objetivo era conseguir fazer a coreografia sem errar ou cair. Consegui nos dois. Não participo mais porque não consigo ser professora e atleta de qualidade ao mesmo tempo. Mas procuro levar toda essa experiência para as minhas alunas”, explica Vanessa Reichert.

Mas engana-se quem pensa que para praticar o pole dance é preciso treinar como uma atleta. Vanessa Reichert explica que o pole é altamente inclusivo, não havendo restrição de idade ou peso.

As aulas no estúdio V, por exemplo, contemplam aquecimento, séries de fortalecimento, movimentos como giros e inversões, e também relaxamento. “O pole trabalha todos os músculos de uma vez e chega a queimar de 300 a 500 calorias em uma hora. Além disso, as aulas são todas de nível misto, ou seja, cada aluna treina e se desenvolve no seu ritmo”, conta Vanessa.

Desafios do Pole no Brasil

Profissionalização. Essa é a palavra que define, segundo a Presidente da FBPOLE, o principal desafio do pole no Brasil. “A gente precisa profissionalizar as professoras, as escolas, investir em especialização e em estudo fora do país porque os melhores atletas ainda são de fora”, comenta Vanessa Costa, que ressalta o importante papel da imprensa. “Quanto maior a promoção da modalidade, mais olhares a gente vai atrair e mais gente vai conhecer. Eu acho que esse é o caminho”, diz.

Ainda assim, as escolas e academias têm um papel fundamental de promover a modalidade e de fazer com que o pole seja cada vez mais respeitado como esporte. “Temos trabalhado para promover e difundir a prática com nossos eventos e apresentações, levando cada vez mais qualidade para o estúdio”, finaliza Vanessa Reichert.

 

Conheça mais sobre o Estúdio V.

Compartilhar:

Sobre body.mag

body.mag

Aqui na redação da body.mag somos loucos por pesquisar e transformar esse conhecimento em informação relevante para você. O nosso dia a dia também é corrido, mas nunca abrimos mão do bem-estar e qualidade de vida. É assim, com esse pensamento, que trabalhamos para transformar a vida das pessoas. Apesar de sermos antenados, sempre queremos ouvir as sugestões dos nossos leitores, afinal, a body.mag é feita para você!

  • Email

Adicionar comentário

Quer dar a sua opinião sobre a matéria, tirar uma dúvida ou colaborar com o tema? Envie seu comentário para a gente! Fique atento, pois os campos “Nome” e “E-mail” são obrigatórios (mas o seu e-mail não será publicado no comentário!).*